Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011
Arquipélago Outonal: Ostinato, de Tomas Tranströmer ("17 Poemas", 1954)

Sob o ponto de vista constante circular da ave de rapina
o oceano enrola ressoando à luz do dia,
mastiga cegamente o seu freio de erva e aspira
espuma sobre as praias.

 

A terra é velada na escuridão onde os morcegos pressentem o seu
caminho. A ave de rapina para e torna-se agora uma estrela.
O oceano enrola ressoando e aspira
espuma sobre as praias.

 

Versão de Manuel Anastácio, a partir da versão em inglês de Robin Fulton

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 02:06
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar