Sábado, 22 de Outubro de 2011
Arquipélago Outonal: A Tempestade, de Tomas Tranströmer ("17 Poemas", 1954)

Aqui, o andarilho depara subitamente com o gigantesco

carvalho, como um cervo petrificado cuja coroa é de

estádios de largura antes da fortaleza verde profunda

do Oceano de Setembro.

 

Tempestade a norte. Quando as bagas de sorveira
intumescem os seus cachos. Acordados na escuridão, ouvi:
constelações a chocalhar nos seus currais, altas
sobre as copas das árvores.

 

 

Versão de Manuel Anastácio, a partir da versão em inglês de Robin Fulton

 

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:41
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar