.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Domingo, 23 de Janeiro de 2011
6 graus de separação

Para o Silvério Salgueiro

 

Eu conheço A

Que falou com B

Que encontrou C

Que confidenciou a D

O que nunca diria a E

Que ama secretamente F

E entre eu e F

Está a distância entre a erva e o magarefe.

Diz a teoria dos grafos que os agrafos que nos prendem,

Pontos humanos que se estendem sob a constelação dos mortos,

São apenas seis. Seis apertos de agrafador

Dados pelas Parcas nos tempos livres, quando deixam a tesoura e o dobador,

Ligando a distância entre o sonho e a sua realização,

Quando, morto, não tiver a satisfação

De ver morta a minha política desilusão substituída por outra melhor.

Ou pior.

Dizem que são seis os graus de separação

Entre eu e um esquimó.

Entre o estrume e a mó.

Estrume

Decomposição

Absorção radicular

Fotossíntese

Amido na Eira a secar

Depois da colheita, espiga desfeita, azenha, alcatruzes,

Serapilheira.

Mas não.

Nem seis nem quantos quisermos, conforme quisermos.

Há só um a separar-nos nos ermos da expiação dos pecados que não fizemos.

Um só grau de separação.

O que nos separa de nós mesmos

Por intermédio dos outros.

Entre eu e o Silvério Salgueiro, nada nos deveria separar.

Nem o Cerro antes ou depois da Eira, conforme a carreira, nem o Outeiro,

O Fundo da Estrada ou caminho pela casa da Ti Maria Zé de Berto.

Esteve sempre fechado o caminho aberto

Quando o meu pai, Silvério,

A sério, ele também,

Com ele foi compartilhado pelo mesmo padrinho.

Mas entre o Silvério e eu, qualquer que fosse o caminho, nada mais nos separava que  o Vale da Carreira,

A outra banda, o Cerro

E uma ribeira que fica seca no Verão.

Quantas vezes o terei visto no Outeiro,

Onde o fascista do meu primo Batata escreveu no armazém do Adelino

“Vota Cavco”

Na Portela e nas festas de Carvalhal, pela Senhora da Assunção… Ou outra por ela.

Talvez fosse ele quem, distraído, me passou a mão pelo cabelo

Depois de se zangar com a namorada

Junto ao Dancing, enquanto o Salamanca vendia bolos

Em forma de ferradura.

Ou talvez não. E entre essa pessoa que não sei quem era

E o Silvério Salgueiro

Haja mais que a fechadura de seis voltas, que as chaminés

Feitas pelos mestres Salgueiro abriu.

Chaminés com a rosa dos ventos,

Como que suspirando adventos, natais e outros momentos

De geográfica inspiração. De escarpas e abismos de difícil orientação.

Seis graus podem ser três degraus

Três

De perfeita e trinitária união.

publicado por Manuel Anastácio às 01:30
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
4 comentários:
De glaucia lemos a 23 de Janeiro de 2011 às 12:16
Os grandes poemas, Manuel, como muitos outros grandes textos, de ordinário guardam grandes ir revelações . Não é difícil null caso presente, as intercaladas reforçam o pensamento inicial com toda a poesia que realiza a vida do poema, levando-o a pulsar realmente vivo. A mensagem está guardada no âmago do que se pretende./Quando se lê Saramago, só para citar alguém próximo no espaço e no tempo, conhece-se a história de João Meio-tempo , Manuel Espada, de Blimunda , dos cegos anónimos , e tantos mais, no entanto, o discurso ideológico sobre paira a tudo isso. Por isso, o que anda por trás dos graus e degraus do " 6 graus de separação " só o poeta sabe. Que só um grau nos separa do que somos obrigados a ser e o que verdadeiramente somos, isto sentimos todos nós próprios perante "os outros".Porque eles existem, nós, nos tornamos figuras aparentes, infiéis a nós mesmos. ( A este respeito, uma amiga gentilmente pôs um null no meu mural para o artigo "Da indignidade do pouco" com uma foto da autora ao lado. Quando A Tarde o publicou em Julho pp. , uma das filha ligou: " minha mãe, a senhora não vive assim" claro, mas é o meu pensamento. A literatura nos dá o direito de sermos hiperbólicos e eu usei deste direito, mas toda hipérbole contém em si a dimensão exacta do que se quer. Ele diz desse direito de nos exercermos .) O que fica a entender na sua memorável página, é o final com os três degraus irrevelados, que um leitor mais místico poderia atribuir, forçando um pouco, à Santíssima Trindade. Mas não tem direito o leitor de interpretá-los. Faz parte da sagrada ir revelação que afinal se guarda na maioria dos grandes textos literários. Mas poesia não precisa de ser interpretada. Já é privilégio do leitor usufruir do que ela concede à sua sensibilidade. Os três degraus, sabe o autor que eles existem. Nós, meros mortais cegos da alma humana, não temos direito.
De Maria Helena a 23 de Janeiro de 2011 às 17:47
Cumplicidade é o que se sente logo, aqui.
Ainda bem que foi o Silvério a ganhar.
E nem de propósito, transcrevo um parágrafo de um livro que ando a ler:

"A nossa solidão só pode ser curada quando expresa criativamente e quando ajudada por alguma outra pessoa que cria uma situação triangular. Somos dois, conversamos: o terceiro é a palavra. A palavra que vem do outro prova que somos três."

De Silvério Salgueiro a 25 de Janeiro de 2011 às 14:44
O que nos separa é o grau superlativo de talento com que foste dotado para a escrita e que em mim até me limita na sua compreensão. Mas parafraseando Glaucia Lemos já me basta usufruir o que essa tua escrita concede á minha sensibilidade.
Obrigado pelo prémio tão chorudo para tão pouco merecimento.
De Helder André a 24 de Julho de 2012 às 01:28
Muito bom
belo passeio e boas memórias dessa bela aldeia

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds