.Últimos bocejos

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

. LXX

. LXIX

.Velharias

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Terça-feira, 6 de Junho de 2006
Herbário I - Mentha spicata


No tempo em ninguém ouvia com reverência (fingida ou não) as minhas esclarecidas opiniões sobre tudo, era na escuridão que envolvia a casa que eu encontrava os ecos da minha solidão e me sentia parte do mundo. Ainda que não fosse capaz de entrar por um cemitério adentro durante a noite, era no ermo do pinhal, dos quintais ou sobre o terraço do barracão onde se guardava a lenha e a erva para as ovelhas que eu me sentava a olhar as estrelas frente à indiferença da lua. Os pinhais junto a minha casa eram, essencialmente, ladeiras cobertas de musgo, urze, carqueja e líquenes brancos a que chamávamos "estrelinhas". Era aí que o silêncio morto da natureza gotejava em paz sobre o meu sofrimento. Foi numa dessas ladeiras que dei o último afago a um cão amarelo, baixote e olhos cor de mel que se colava a mim sempre que me via a chorar e que compartilhava comigo o silêncio de existir. Foi aí que lhe tentei dar a última guloseima e ele a recusou, deitando-me um último olhar de tristeza. Foi entre as folhagens de sobreiros enegrecidos  pela noite que a morte o recolheu. Foi aí que lua, pela primeira vez, me cuspiu na cara toda a sua arrogância de luzeiro eterno.

Hoje, moro numa cidade, ainda que oiça grilos. Não há ladeiras desertas à noite. Não há barracão com erva para as ovelhas. As ávores, ali ao lado, têm holofotes pegados às raízes. Os choupos-negros, ainda assim, acariciam a minha varanda com sussuros do outro mundo - com toda a dor para a alma que isso implica. Por mais que sejam poéticas, as casas nos altos dos vendavais nascem já assombradas, mesmo sem passado a consagrar-lhes as fundações.

Como estorninhos, os amores fustigados pelo vento, são apenas sofrimento destilado, cujo brilho deriva apenas da sua pureza química:

E come li stornei ne portan l'ali
nel freddo tempo, a schiera larga e piena,
cosí quel fiato li spiriti mali
di qua, di là, di giú, di sú li mena;
nulla speranza li conforta mai,
non che di posa, ma di minor pena.

Hoje,  a lua desce o seu arco invisível sobre os prédios da frente. Quando olho as estrelas e a sua indiferença prateada, ou exponho-me a  supostos olhares indiscretos ou resguardo-me com as cortinas amarelas da cozinha enquanto  beberico vinho, guaraná ou mordisco silenciosamente uma peça de fruta. Bolachas, não, que quando as mastigo durante a noite, pareço um batalhão de soldados a marchar em cidade recentemente conquistada - a Casta Diva não é para mim sinal de vitórias, mas um simples afago que a natureza me dá com o seu desprezo.

Hoje, o meu amor deixou-me sozinho. Com a lua, gelado com uma folha de hortelã e uma lágrima a que não senti o sal.

Por mais poética que seja,
Uma lágrima será sempre uma lágrima.

Amo-te, C.C.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:31
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
6 comentários:
De Maria Helena a 7 de Junho de 2006 às 02:19
Existe uma imensa beleza na tristeza.
De Jo Lorib a 7 de Junho de 2006 às 06:05
Sabe. este texto me tocou o badalo das lembranças, aquele lá no fundo, fazia tempo que nào tocava.
Muito bom , muito bom.
E obrigado pela ligação, apareça.
De artur a 7 de Junho de 2006 às 17:45
et in terra pax hominibus bonae voluntatis
De Filipe a 10 de Junho de 2006 às 00:17
Um texto belo, lembrou-me uma das minhas angústias quando lembro tempos que passei no campo, falta-me a noite. Na cidade deixou de existir a noite. A noite da lua cheia na cidade já não tem luar. A noite da lua nova, escura digna essa não existe mesmo.
Num texto como este , belo, custa-me até falar da menta, que sendo menta vulgar, como aparece ser a da fotografia será a mentha spicata L., 1753 . A mentha sativa Sm ., 1800, penso que ficou posteriormente registado como sendo um híbrido. Mas o mundo das menthas é uma grande confusão. Mas sobre isto, confirma com outra opinião
De Manuel Anastácio a 11 de Junho de 2006 às 19:14
Obrigado pelo aviso. Também me parecia que era Mentha spicata, mas fui levado a crer que era sativa por falta de informação... E a hortelã a que me refiro no texto será mesmo a spicata... por isso, ainda estou a tempo de mudar o nome do artigo (ainda que isso não seja muito bem visto na blogosfera...).
De glaucia lemos a 14 de Abril de 2012 às 00:13
"Uma lágrima será sempre uma lágrima". Eu sei. Conheço bem deste assunto.

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. póvoa de lanhoso

. poesia

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds