Sexta-feira, 15 de Outubro de 2010
Eternidade

Van Gogh, Noite estrelada

 

Se Amor te vier despertar,
Sem setas, sem asas, numa leve corrente de ar,
Continua a dormir.
Quando se apresentar,
Cobrindo-te os seios em flor
Em néctar
dorido, em nocturno odor,
Aspira-os como se fosses mar,
E continua a dormir.
Que o Amor, tal como o fogo, é assim,
Feito de luz aberta à escuridão.
Sussurra entre os lábios que és um não
E escreve com os dedos que és um sim.
E continua a dormir.
Se ele, o Amor, te vier raptar,
Imita o mar. E segue até afundar
No mais fundo infernal dos leitos.
E, havendo espaço entre dois peitos,
Acorda apenas para as carícias
De certas delícias de quem, como tu,
Descobrindo-se nu, se aconchegou ao pecado
Do clarão velado das lanternas a que chamam estrelas.
Essas, que, eternas, sem sê-las,
Assim se fixaram no firmamento,
Alheias à morte e ao pensamento.
Sossegadamente, assim, a dormir...
E há quem diga que a sorrir.
Como tu.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 06:45
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
10 comentários:
De Maria Helena a 15 de Outubro de 2010 às 08:39
"Que o Amor, tal como o fogo, é assim,
Feito de luz aberta à escuridão."

Poderia ter sido escrito pela Doutora que se celebra hoje. De Ávila e Teresa.
De Manuel Anastácio a 16 de Outubro de 2010 às 13:35
Mas para Teresa, teria setas ou lanças...
De bípede falante a 15 de Outubro de 2010 às 13:51
O amor exige mesmo uma certa sonolência. De olhos muito abertos, ele se torna insuportável.
De Manuel Anastácio a 16 de Outubro de 2010 às 13:36
Não sei. Talvez a paixão, sim... O amor é a própria e desejável sonolência.
De Gerana Damulakis a 16 de Outubro de 2010 às 01:00
Belo poema.
"Se ele, o Amor, te vier raptar,
Imita o mar. E segue até afundar
No mais fundo infernal dos leitos": algo assim, aliás, é mais do que belo.
De Manuel Anastácio a 16 de Outubro de 2010 às 14:39
Mais que bela é a boa vontade de quem assim me afaga o ego...
De gláucia lemos a 16 de Outubro de 2010 às 15:02
Poema que tem alma, que está vivo com a subtileza dos incensos que se alçam, enquanto louvam e perfumam, leves e balsâmicos. "Que o amor tal como o fogo é assim, feito de luz aberta à escuridão." É. Ele é assim. Sei que é assim. Uma luz na escuridão. Emocionante, Manuel.
De gláucia lemos a 16 de Outubro de 2010 às 15:15
Esqueci-me de acrescentar que copiei Eternidade para ter entre os textos de minha preferência. "E a quem diga que a sorrir. Como tu " Adorei a finalização também.
De Manuel Anastácio a 16 de Outubro de 2010 às 17:51
Bondade da Gláucia. Tá querendo que eu faça doce, hein?
De gláucia lemos a 17 de Outubro de 2010 às 03:11
Eu querendo que você faça doce??? rsrsrs quando você disse "bondade da Gláucia " já estava fazendo doce!!! kkkkK

Dizer de sua justiça

.pesquisar