Quinta-feira, 7 de Outubro de 2010
Early Morning Fog II - Como te amo, por Elizabeth Barrett Browning

 

 

Poemas na luz vaga da madrugada

 

Deixo-te o rol dos modos de te amar:

Amo-te ao longo de toda a extensão

Da alma, ao perder a compreensão

Nos fins do Ser e da Graça exemplar.

Amo desde o nível da mais vulgar

Indigência, à luz de qualquer clarão.

Livre, como quem luta p'la Razão;

Puro, tal como estes, por venerar.

Amo-te com a paixão infantil

Das velhas mágoas, como no desnorte

De quem viu despejar o seu redil.

Amo com os gestos de toda a sorte

Da minha vida. E, seja Deus gentil,
Amar-te-ei melhor depois da morte.

 

versão de Manuel Anastácio

publicado por Manuel Anastácio às 06:08
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De Gerana Damulakis a 8 de Outubro de 2010 às 01:42
Ficou ótimo!!!
Só quem é poeta como vc pode manejar assim as palavras.

Dizer de sua justiça

.pesquisar