.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sábado, 26 de Junho de 2010
"Cinco" - Ópera do Centenário da República, de Carlos Clara Gomes

Sou frequentador assíduo de tudo o que seja espectáculo de entrada livre. Não por forretice, mas porque não há nada mais confrangedor que ver um espectáculo aberto a todos sem público. Principalmente, quando o espectáculo é de qualidade. Hoje, contudo, vi o pior espectáculo da minha vida. Com entrada gratuita. É certo que a saída também era gratuita. Ainda pensei em sair antes de acabar, mas quis ver onde é que tudo descambava. O espectáculo chama-se "Cinco" e é uma "ópera" popular contemporânea - algo a querer imitar "Les Miserables", com um toque de Bertold Brecht, Zeca Afonso e muito Quim Roscas e Zeca Estacionâncio - ou coisa assim, talvez falhe nesta última referência cultural. O espectáculo, que vai continuar amanhã, no lado direito do Paço dos Duques, já foi estreado em Viseu, pela Companhia de Teatro DeMente. É uma coisa amadora? O site da Câmara diz que tem um elenco de 23 profissionais. Ora, eu fui pensando, ao longo do espectáculo, se aquilo não seria feito por amadores algo alienados, reclusos, sei lá... mas não. Supostamente são "profissionais". Ora, a música é pavorosa, mas pavorosa mesmo. Dá vontade de ouvir o Quim Barreiros, o Tony Carreira, qualquer coisa é mais suportável que aquela monstruosidade medonha que pretende ser por vezes épica (muitos punhos fechados e povo a ser fuzilado) e por vezes cómica (mas da comicidade só consegue, mesmo, alcançar o ridículo). Bati palmas apenas duas vezes. No início, ainda numa atitude colaborante, perante um início ridículo mas que ainda não prenunciava a desgraça e, depois, numa cançoneta onde a rainha Dona Amélia critica o marido D. Carlos. Não sei quem é a cantora, mas tem, ao menos, a capacidade de não desafinar (claro que isso não salva a triste composição). Amanhã, o espectáculo continuará no mesmo sítio. Se é de Guimarães ou Braga, eu a si, ia ver. Quanto a mim, chega. Mas acho que vale sempre a pena ver até onde pode ir a falta de gosto, não obstante a boa vontade que anima esta Companhia Teatral, que quer juntar uma vertente didáctica e de animação cultural que integre "potencialidades artísticas locais". Mas de boas intenções está o Inferno cheio. E ver este espectáculo é um inferno de tal modo dantesco (sem Dante), que se torna obrigatório ver, do mesmo modo que é obrigatório ver o "Plano 9 dos Vampiros Zombie". O mau gosto pode ser extremamente educativo. É por isso que recomendo vivamente este espectáculo. Por favor, não faltem amanhã, dia 26 de Junho, no relvado à direita da entrada do Paço dos Duques de Bragança, às 10:00. Uma coisa vos garanto, meus amigos: tal como o site da Câmara diz, é um espectáculo "inolvidável". Deslumbrante. Estarrecedor. Confrangedor. É como se estivéssemos a ver o filme da nossa vida e só tivessem escolhido as partes que queremos esquecer. Não é agradável, mas tem as suas virtudes.

 

P.S. O amadorismo da obra não é aquilo que eu critico, mas a própria concepção da obra, que já nasce estropiada antes de cair nas mãos de amadores. Esse é, aliás, o melhor deste projecto, ao deixar jovens "experimentar" o palco. O que eu receio é que fiquem muito mal impressionados depois de tal experiência.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 00:36
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds