Segunda-feira, 24 de Maio de 2010
Cristo no Monte das Oliveiras, de "As Quimeras" de Gérard de Nerval

Parte I

Parte II

Parte III

 


Não gemeu o eterno penitente
Abrindo em vão seu coração ao mundo;
Mas sucumbindo a cansaço profundo,
Ao único, em Solima,  consciente:

"Judas!  Do meu valor estás bem ciente:
Vende-me, não esperes mais um segundo.
Agonizo, amigo, e no chão me afundo...
Tu, ao menos, p'lo crime estás presente!"

Mas Judas, longe, ansioso e pensativo,
Manipulado, em remorso agressivo,
Lê nos muros seus negrumes gravados.

Por fim, Pilatos, de César vigia,
De vaga piedade se atavia:
"Buscai o doido!", diz ele aos criados.

 

 

(Versão de Manuel Anastácio)

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 23:52
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De Gerana a 27 de Maio de 2010 às 01:27
Excelente a tradução. Irretocável.

Dizer de sua justiça

.pesquisar