.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quarta-feira, 24 de Maio de 2006
a) Artemisa

Perguntou-me um leitor porque é que um dos poemas que traduzi, de Gérard de Nerval se chama "Artemisa". De facto, o seu conteúdo é constituído, essencialmente, por referências cristãs. Ora, não me cabe a mim explicar aquilo que vem envolto de mistério das mãos do autor. Uma árvore não explica os frutos - dizia o Miguel Torga... Mas como não sou a árvore, vou tentar dar algumas pistas. Sem ser exaustivo. Porque, enfim, a poesia não pode ser explicada (mas, de vez em quando, convém explicar alguma coisa para que os desconfiados não julguem que andamos a misturar alhos com bugalhos).

Na verdade, a resposta é muito simples - ainda mais se tivermos em conta que não existem quaisquer religiões puras no mundo (e ainda bem – é um sinal de esperança) . Mais que isso: todas têm tendência a repetir os mesmos mitos em formas diferentes. As religiões, como a arte, distinguem-se não tanto pelo conteúdo (por vezes, prescindem mesmo dele), mas pela forma...

 

Claro que o sentido do soneto de Nerval não é institucionalmente religioso; de facto, Nerval pertence àquela classe de intelectuais franceses (é que isto acontece mais com os franceses ou com francófilos – não me perguntem porquê) que criam a sua própria religião e que não pretendem que alguém mais a ela se converta. Este soneto de Nerval é, como sempre, carregado de um simbolismo louco. Claro que utiliza todo um código de mistérios e de relações cabalísticas que ultrapassam o que é traduzível e explicável.


Mas o tema é imediato. O eterno feminino. O pungente eterno feminino que desde sempre assombra os mitos e os arquétipos da nossa cultura e que em Nerval estava profundamente ligado à ausência da figura materna: a mãe do poeta morreu tinha ele apenas dois anos. A virgem Maria, todas as santas martirizadas na defesa da sua virgindade e Artemisa têm muito de comum: aliam em si a ideia de vida e de morte. O primeiro verso do soneto, “Em décimo-terceiro volta... à frente...”  inaugura e sintetiza esta ideia. O que volta em décimo terceiro? A hora que se segue à décima segunda – isto é, quando o ponteiro deu uma volta completa ao relógio. Estamos, portanto, a falar do tempo circular e do elo que liga o fim ao início? Do tempo que a natureza parece celebrar com os dias, as noites e as estações? Sim e não. Por um lado, a fecundidade que se associa ao corpo da mulher parece remeter para esse género de tempo, mas… o poema não se refere directamente fertilidade, mas à sua recusa. O que se evoca é o eterno feminino cioso da castidade e da solidão. Artemisa é a deusa que foge da presença masculina e que detesta qualquer assomo de desejo sobre o seu corpo. É a deusa que persegue até à morte aqueles que se atrevem a desejá-la. É a deusa que recusa a sua condição fértil. É a deusa do tempo recto, sem curvas, sem ciclos, sem retorno, sem regresso.

 Mas, por outro lado, temos outro flagrante símbolo feminino: a rosa, evocada em Santa Gúdula, catedral conhecida pela sua rosácea; a malva-rosa (“Rose trémière”, no original), planta em que as flores se sucedem ao longo do caule, como numa espiga, como que conotando a sucessão de vidas, a reencarnação e a memória, e que nega as rosas brancas, símbolo da transitoriedade e do efémero, que caem, no final, sobre a terra. A mesma terra que serviu de túmulo, em vida, a Santa Rosália, desaparecida do contacto humano e escondida numa gruta onde misteriosamente viveu o seu celestial degredo.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 00:01
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
7 comentários:
De Artur a 24 de Maio de 2006 às 16:57
O eterno feminino, ou como os homens simplesmente não conseguem viver sem as mulheres...
De sandra a 24 de Maio de 2006 às 20:11
Já há mto q por aqui n aparecia mas estás mais giro, cheio de luz, com um corpo bem constituído e organizado. Parabéns! ;) Bjs e boa semana!
De Manuel Anastácio a 24 de Maio de 2006 às 21:07
O eterno feminino... Tá bem... Lembro-em que era o título do primeiro programa de televisão apresentado pela Teresa Guilherme.
De Helena a 25 de Maio de 2006 às 08:19
Parece-me que o desejo de ser Artemisa é uma tentação para muitas mulheres, eclode com a puberdade e adolescência.
De Filipe a 29 de Maio de 2006 às 22:24
Em primeiro lugar obrigado, pela excelente resposta. Tenho a dizer também que não conheço Gérard de Nerval , e não é poeta que se conheça de certeza com leituras rápidas. Dois pontos da introdução que gostei, A árvore não explica os frutos, concordo, eu costumo dizer que os frutos têm que se perceber é pela terra onde as raízes circulam. A poesia não se explica, nunca, mas discuti-la só nos fará bem.
Como te disse não conheço o poeta, vou ler sobre ele, percebi algo do simbolismo e agradeço a explicação.
Em relação ao nome associei mais à planta Artemisa , a mais conhecida o absinto, e no sec XIX, a fada verde, bebida dos intelectuais da época. De qualquer maneira a planta Artemisa era dedicada a Artémis , deusa que se enquadra bem na tradição judaica - cristã. Por outro lado na Bíblia a planta Artemisa é das mais mal referenciadas, contradições.
Mais uma vez obrigado pelo post
De Manuel Anastácio a 31 de Maio de 2006 às 00:13
Concordo. Mais que explicar a poesia, há que falar dela.
De Sandra Artemisa a 26 de Julho de 2006 às 20:24
Olá
Gostei muito de descobrir sem querer mais qualquer coisita acerta da origem do meu nome..
No ar deixo uma pergunta: Não haverá dentro de todas nós uma "Artemisa"
Um beijo

Sandra Artemisa

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds