Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2010
A característica mais forte dos baianos

Tom Zé, ensinando o que é um metarefrão microtonal e polisemiótico no Programa do Jô. Uma aula de música deveras interessante.

 

A Gerana diz que eu pareço baiano com este blogue. Desconhecendo eu qual a característica atribuída aos mesmos e que me seria também imputável, fui fazer uma pequena busca ao Santo Google. E fiquei a saber que para um professor universitário, Natalino Dantas de seu nome, a maior característica dos baianos é a burrice. Ora, não me passa pela cabeça que a Gerana me considere burro. Mas é fascinante ler as afirmações deste Dantas a que me furtarei de dedicar um manifesto anti-dito, à maneira do Almada, ainda que apeteça, obviamente, dizer morra o Dantas, morra, pum... Sim, pum... Tem mais cheiro. Diz o Dantas (que, tanto quanto sei, é Baiano, a não ser que seja baiana, e as mulheres estejam fora do espectro da imbecilidade regional) que O baiano toca berimbau porque só tem uma corda. Se tivesse mais, não conseguiria. O compositor baiano Tom Zé, que vem a Guimarães dia 23, que sabe tocar Berimbau, além de liquidificadores, rádios, máquinas de escrever, gravadores, teclados e garrafas, para não falar de vários instrumentos convencionais, com particular destaque para o piano e violoncelo, sendo mestre em composição, contraponto e harmonia, não quis comentar o Dantas para não lhe dar esse prazer. Eu, por mim, penso que o Dantas apenas desabafou a sua tristeza, como baiano, ao ver a baixa prestação dos seus conterrâneos da Universidade Federal da Bahia no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). Eu mesmo poderia dizer algo semelhante dos portugueses, sem contudo, querer ser confundido com a Maitê Proença. Por isso, deixo o Dantas em paz e vou à procura de uma característica dos baianos que não seja esta, que não é baiana, mas universal... se o tempo assim permitir...

 

Bom ano a todos.

publicado por Manuel Anastácio às 17:55
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
18 comentários:
De Flamarion a 8 de Janeiro de 2010 às 22:08
Que burro que nada, Manuel. O que se diz por aqui dos baianos é outra coisa. Nem imagine que Gerana brincaria assim com você.
Abraço. Bom 2010.
De Manuel Anastácio a 9 de Janeiro de 2010 às 11:41
Flamarion, é bom vê-lo por cá. Claro que não é essa a característica... mas não deixa der ser constrangedor ser o primeiro resultado dado pelo Google.
De Silvério Salgueiro a 10 de Janeiro de 2010 às 18:15
Malemolente " poderá ser o adjectivo que caracteriza o baiano. Talvez Gerana reclame mais assiduidade nas postagens e celeridade nos comentários e se assim for que se explique. Eu, que comprendo a falta de tempo , deixo aqui apenas uma ajuda.
http://trevodotalvez.wordpress.com/2009/05/18/o-povo-baiano-e-preguicoso-escreve-o-secretario-de-cultura-do-estado-da-bahia/
Embora atrasado , um bom Ano Novo.
De Gerana a 11 de Janeiro de 2010 às 01:01
Eu mesma dei a dica na minha postagem "Livros lidos em 2009", no final do 1º parágrafo, quando digo que sou baiana assumida, pois a preguiça não me permite elaborar os livros da década 00 do século 21.

Quem acertou foi Silvério, o baiano é conhecido como preguiçoso, malemolente, que passa o dia deitado na rede, tomando água de coco.

Burro? Nem você, nem nós, baianos. Ao contrário, há um ditado que diz que baiano burro nasce morto.
De Gerana a 11 de Janeiro de 2010 às 01:24
E, antes que os meus conterrâneos fiquem retados, esclareço que usei a brincadeira da característica da preguiça comigo mesma.
Sabemos que tudo isto é apenas a necessidade de rotular, sempre com aquela coisa de rir de nós mesmos. Os baianos, na verdade, trabalham muito, têm uma capital, Salvador, que é 3ª cidade do país, com um enorme Pólo Petroquímico a 50 kim da cidade, é um povo hospitaleiro, amistoso, gosta muito de dançar, de fazer poesia e música e literatura.
Rótulos são generalizações para divertir. Carioca é malandro. Sabemos que os cariocas são sérios, a "maladragem" está no espírito alegre. E por vão os rótulos.
Só para divertir.
De Maria Helena a 11 de Janeiro de 2010 às 08:31
Eu cá estou com o Silvério e começo a pensar se o Manuel não será baiano de gema, oxente!
Tem cara que devia postar mais um pouquinho, hein?
Quando venho preparada para a tertúlia encontro o espaço encerrado e penso "Manuel se escafedeu e esqueceu seus amigos, oxente"

(Silvério, estou a ler o "tijolo" da minha vida : " 2666", de Roberto Bolaño. Não pode perder este. Não consigo "desligar", sequer)
De Dúvida Metódica a 11 de Janeiro de 2010 às 21:41
Todos os baianos são x, todos os franceses são y...
Quase todas essas generalizações são falsas. Porque serão tão frequentes?
De glaucia lemos a 12 de Janeiro de 2010 às 20:33
Imagine, dizer que baiano é burro, só mesmo aquele patife do Natalino, que não sei como é que está em um cargo como o dele... Ele criou uma questão por aqui depois daquelas bobagens . Espero que você não tome também o Tom ;zé como modelo de baiano otípico. Ele se considera um gênio, na verdade tem cultura, mas está mais para palhaço com as coisas que inventa.// A craterística principal que atribuem aos baianos é a preguiça o que também é injusto, Vem das afirmações de Dorival Caymi que dizia viver em uma rede. É facil ganhar a vida deitado na rede tocando violão, não? Também porque somos festeiros e alegrs, gostamos de dançar e de cantar, o que dá impressão de que não trabalhamos e não levamos a vida a sério, mas não é nada disso. Nosso jeitão arrastado, nossa fala arrastada dão impressão de preguiça, é somente dengo, baiano é dengoso, não preguiçoso. Acho que Gerana quis dizer que você aindava um pouco preguiçoso com seu blog, mas carinhosamente, nunca de maneira pejorativa, com certeza. Um beijo. Gláucia
De Manuel Anastácio a 12 de Janeiro de 2010 às 21:31
Preguiçoso? Sou. Tenho costela alentejana.... eheh

Vou tentar ser mais assíduo. Mas pouco prolixo. Não posso ser mais. Mas esquecer-me dos amigos, Maria Helena, é que não...
De Gerana a 13 de Janeiro de 2010 às 02:53
Concordo em parte com Gláucia: é por conta de tanto Carnaval que parece que baiano não trabalha. Mas, como consegue dançar 8 dias inteiros, não deve ser preguiçoso quando o assunto é diversão.
Posso falar, sou baiana, tem umas coisas que me enervam como, por exemplo, dirigir tão devaaaaagaaarrrrrr. Vivo me irritando no trânsito, buzino mil vezes.
Eu estava em São Paulo e o motorista do táxi dirigia tão velozmente que fiquei com medo e vi que sou muito baiana. Ou seja, a minha "muita" velocidade aqui, lá não seria "grandes" km/h.
De Anónimo a 13 de Janeiro de 2010 às 09:04


(tem gente que é mesmo criança, não?)

(estou contente, oxente)
De Maria Helena a 13 de Janeiro de 2010 às 09:06
Ops...
Sou a Maria Helena
De glaucia lemos a 13 de Janeiro de 2010 às 17:16
Oxennnnnnnte ! Não é que Maria Helena abaianou-se !?! Ela aderiu ao nosso peculiar Oxente , o que nos deixa orgulhosos, tanta gente de talento pegando nossos jeitinhos! Será que ela já entraria numa bixa " (fila) de baiana de acarajé E pediria com pimenta? (A propósito bixa que significa fila, se escreve com x ou com ch , Maria Helena? ) Um beijo de Gláucia .
De Manuel Anastácio a 13 de Janeiro de 2010 às 19:18
Em Portugal, bicha de fila é com ch...
De Maria Helena a 13 de Janeiro de 2010 às 21:00
Em português com a mesma pronúncia não existe a palavra "bixa".
Existe sim, mas pronuncia-se de modo diverso:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bixa

(que eu saiba,Gláucia. Abração caloroso!)

Gláucia, "oxente" é tão musical e tão acolhedor, não é? Adoptei, pois claro.
De glaucia lemos a 14 de Janeiro de 2010 às 16:41
Gratíssima a Manuel e também a Maria Helena. Bicha de fila não existe no Brasil. Fila é somente fila. Existe bicha feminino de bicho, também vulgarmente se diz de lombriga, parasita intestinal argh ) também vulgarmente, baixo calão, referência a homossexual. Com x não existe, seria o caso de pronunciar como se pronuncia na palavra aneXo , no entanto temos outra pronuncia, por exemplo, na palavra enxofre, o x é como ch . e na palavra exemplo o x tem som de z. Daí... como existem muitas diferenças no português do Brasil e no de Portugal fiquei curiosa. É só vontade de aprender, oxente . Beijão aos dois. Gláucia .

Dizer de sua justiça

.pesquisar