Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009
Só para dizer que não morri I

A Gerana que me perdoe, mas, mais que poesia, há literatura nesta belíssima sequência deste filme maior que a vida. Maior, porque reflexo dela.

 

quando a flor morre, a cor deixa de existir

 

ontem vi o "Up" e não chorei

(por fora, pelo menos)

 

fiquei impressionado comigo mesmo.

 

quando a flor morre

 

nasce o fruto

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 23:20
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Gerana a 22 de Dezembro de 2009 às 01:08
Foi ótimo isto.
De Gerana a 22 de Dezembro de 2009 às 01:11
Foi ótimo isto.
A poesia te habita.
De Manuel Anastácio a 22 de Dezembro de 2009 às 08:15
Gerana: isso já é de mais... ou não: a poesia nos habita a todos nós.
De Gerana a 23 de Dezembro de 2009 às 02:50
A poesia só habita as pessoas que usam os olhos para ver e não apenas para olhar. Ih, saiu parecendo coisa de auto ajuda.
Manuel: deixe eu curtir sua poesia o quanto eu quiser, ora! Tô brincando, essa coisa de escrever e não ir o tom junto...
Um Natal feliz, amigo.

Dizer de sua justiça

.pesquisar