.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009
Das pessoas de que a minha vida é feita

Diz uma regra antiga que os artigos dos blogues não devem ser reescritos. Eu vou negar-me a esse princípio. Este artigo vai ser reescrito ao longo da minha vida. E vai consistir apenas de uma lista, sempre incompleta e que irei ampliando com o tempo. Uma lista das pessoas que são eu. Tal como as conheço, sem procurar saber delas mais do que o que sei. Com cognomes ou reticências que darão lugar a algum, algum dia. A ordem dos nomes (ou evocações) é aleatória e não indica em nada qualquer preferência.

 

E, volto a dizer, este post jamais terá forma final. A não ser quando a Irmã Morte, caridosa, me beijar a face. Tornando, definitivamente, em epigramas aquilo que agora, ainda, não pretendem ser.

 

Carla Cristiana de Carvalho, a que intimamente me salva.

Maria da Glória Bouça, a que me deu.

Silvério Inácio Anastácio, o que me arrancou do solo do silêncio.

A menina de tule numa praia do Algarve, quando tinha menos de três anos e que é a primeira pessoa de quem me lembro.

O Adelino, com quem brincava;

O Marco, com quem descobri primeiramente o que é perder alguém que de nós faz parte.

O Silvério, que me diz que nada é de cristal.

O Silvério Sagueiro, que me diz que há, na terra e no tronco em que nascemos, maravilhas que desconhecemos apenas por acidentes ínfimos entre a brisa e as ramagens.

Gerana Damulakis, que abriu os braços às minhas palavras e as coloriu com um sorriso de bondade.

A Maria Helena que me faz crer em Deus.

Gláucia Lemos, que me abre os olhos para as formas místicas que toma o afecto.

Paulo Brabo, Ministro Venerável da Ordem do Abraço Eterno.

A minha irmã Paula, que deu sentido à palavra órfão e me ofereceu as palavras sangue, veias e pulsação.

O meu cunhado Nuno, que tem no sorriso a simplicidade das palavras mais sábias.

O meu sobrinho Duarte, enigma das sementes e da vida que há no riso das águas.

O meu afilhado Miguel, arcanjo a quem devo mais palavras e presença.

Aurora da Glória, a quem devo o valor que dou aos (e ao medo que tenho dos) suspiros e silêncios.

 

(continua...)

publicado por Manuel Anastácio às 23:05
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
6 comentários:
De Gerana a 13 de Outubro de 2009 às 02:40
Suas palavras que abriram, não meus braços, mas minha alma. A poesia aproxima as pessoas, funda amizades, propicia trocas importantes. Obrigada.

Ah, o Leitora foi voltando aos poucos; primeiramente com imagem, depois com uma resenha antiga, adiante com uma postagem de um blog que iniciei com o nome de Alik Panaiotes, mas que não passou do segundo dia, por ser incapaz de não me ser e, enfim, escrevi um texto. Voltei.

Em tempo: Alik era uma das opções de meus pais para meu nome. Panaiotes é o lado materno da família de meu pai, não levo o nome, pois só levo o do lado paterno dele, Damulakis.
De Anónimo a 13 de Outubro de 2009 às 04:06
Querido amigo: Estou honradíssima por ter sido incluida na sua lista de pessoas que são você. Que lhe diria em resposta? Eu o incluiria na minha lista - que nunca pensei em fazer - com as seguintes palavras:
Manuel Anatácio, cujos olhos nunca me viram, mas cuja sensibilidade conheceu minha alma como poucas pessoas, a julgar pelas suas próprias palavras.
De glaucia lemos a 13 de Outubro de 2009 às 04:11
Oi Manuel: A mensagem acima é minha, inadvertidamente enviei sem assinar. Por isso estou retornando, para lhe dizer que sou, com meu afeto, Gláucia Lemos
De Maria Helena a 13 de Outubro de 2009 às 15:53
Quando a conversa entre Amigos se proporciona, digo sempre que Aquele que caminha a nosso lado realizou o seu primeiro sinal no ambiente festivo de umas bodas e falou do Reino como o convite a um banquete.
Ele conhece as nossas obras, o nosso trabalho, a nossa perseverança; sabe que lutamos por sermos fieis aos nossos compromissos e procuramos cumprir com as nossas obrigações.
Nesta casa do Manuel a amizade, a estética, a gratuidade, o ócio, a festa, o acolhimento, a aceitação fazem a decoração que nos acolhe.
Como visita, ( e peço que me permita a grosseria de um comentário à sua decoração), gosto particularmente da partilha, da gratuidade como fonte de liberdade e do agradecimento que tem sempre como música de fundo da memória.
Também, com a Gerana e a Gláucia, me comovi e me sinto honradíssima por fazer parte de tão ilustre abrigo.
De Silvério Salgueiro a 14 de Outubro de 2009 às 06:40
Muito me honra e surpreende que a minha esporádica e simples participação na caixa de comentários deste blogue justifique que me inclua na lista das pessoas de que a sua vida é feita.
Vou procurar não desiludi-lo , e mantendo esta janela aberta, permita-me que com as minha limitações de escrita venha aqui soprar de vez em quando ligeiras aragens vindas daquela terra que, tomando palavras de um seu poema , cheira por esta época, a a abafado e em que as couves tenras começam a aconchegar caracóis.
De Manuel Anastácio a 14 de Outubro de 2009 às 07:39
A importância de uma pessoa na vida de alguém não decorre do tempo de exposição...

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds