Sexta-feira, 1 de Maio de 2009
Os amentilhos dos choupos-negros de Guimarães II

Fragmentos de primavera que, ao som de Bach e de Rostropovitch parecem, de facto, como alguém disse, lágrimas vagarosas e espessas.

 

Agora, num vídeo mais elaborado, num parque ao pé de mim. A primeira árvore a aparecer é o choupo que quase toca na minha varanda... Espero que o vídeo não tenha perdido a leveza pueril do primeiro.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 02:38
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Gerana a 1 de Maio de 2009 às 03:30
Não perdeu a leveza e está mais encantador. Quando se perssegue um sonho, chega-se lá (ih!, dei uma de Paulo Coelho, que horror!!!). Lembro que seu sonho é ser diretor de cinema, não é? Li isto aqui faz tempo, mas não esqueci.
De Gerana a 1 de Maio de 2009 às 03:35
Onde está "perssegue" no meu comentário anterior, leia-se "persegue".
De Lengo D'Noronha a 5 de Maio de 2009 às 02:16
'Nascuntur poetae, fiunti oratores' (diretores, pintores...)

Maravilha, Manuel.
Que leveza. Que poesia.
Os alvos verdes dão a primavera.

Mais!
De Paulo a 6 de Maio de 2009 às 14:17
É neve de Abril.

Dizer de sua justiça

.pesquisar