.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009
Génesis I - ou a definição do belo

Gustave Doré, "Que se faça a luz".

 

Começou o Tempo, e Deus criou os céus e a Terra. A terra não tinha forma e estava vazia. A escuridão cobria a flor das águas e o abismo. E a respiração de Deus fazia tremer a superfície das águas.

 

E Deus disse: “Que se faça a luz.” E a luz fez-se. E, sentindo o belo  que havia na luz, separou-a das trevas. E chamou à luz, Dia, e Noite à Escuridão. E veio o crepúsculo e a aurora. E foi o primeiro dia.

 

E Deus continuou, dizendo: “Que se forme o firmamento, separando águas de águas.”  E Deus fundou, então, o firmamento entre as águas de baixo e as de cima. E assim foi.  E Deus chamou Céu ao firmamento. E veio o crepúsculo e a aurora. E foi o segundo dia.

 

E Deus , continuou, dizendo: “Que se juntem as águas abaixo dos céus num só lugar e desponte solo enxuto.” E assim se fez.  E ao solo chamou terra, e ao conjunto das águas chamou mar. E Deus teve agrado nisto. E Deus continou, dizendo: “Que do solo nasçam ervas, férteis verduras, árvores de fruto de cada espécie, cada uma com a sua semente, sobre a terra.” E assim se fez.  E da terra irrompeu a fertilidade de cada erva e cada semente, segundo a sua espécie, e árvores de fruto com semente, cada uma da sua espécie. E Deus viu que isso era belo. E veio o crepúsculo e a aurora. E foi o terceiro dia.

 

E Deus continuou, dizendo: “Que se fixem luzes no céu para que se distinga a noite do dia, e para que haja sinal de cada estação, dia e ano. E servirão de luz no firmamento, para que a Terra se ilumine.” E assim se fez. E Deus fez duas luzes maiores, a principal, dominando o dia, e a menor dominando a noite, tal como as estrelas.  E Deus as fixou no céu para que iluminem a Terra, comandem o dia e a noite, e para que façam distinção entre a luz e as trevas. Deus achou que isso era belo. E veio o crepúsculo e a aurora. E foi o quarto dia.

 

E Deus continuou, dizendo: “Que as águas se povoem de vida e que criaturas aladas cubram a face do firmamento sobre a terra.”  E Deus criou cetáceos e todos os seres que se movem nas águas, conforme a espécie de cada um, e todos os seres dotados de asas, conforme a espécie de cada um. E Deus pensou que tudo isto era belo.  E Deus os abençoou, dizendo: “Sede fecundos e multiplicai-vos, preenchei os espaços que a água encerra, e que se multipliquem os seres que voam sobre a terra.”  E veio o crepúsculo e a aurora. E foi o quinto dia.

 

 E Deus continuou, dizendo: “Que a terra se cubra de seres que respiram, cada um conforme à sua espécie, animais domésticos, animais que rastejam no solo, e animais selvagens, cada um conforme à sua espécie.” E assim se fez.  E Deus criou as feras terrestres, cada uma conforme à sua espécie, e cada animal doméstico conforme à sua espécie, e todos os animais que rastejam no solo, cada um conforme à sua espécie. E Deus agradou-se com a beleza.

 

E Deus continuou, dizendo: “Façamos o Homem à Nossa imagem e semelhança, de modo a sujeitar à sua vontade os peixes do mar, os seres alados do céu, os animais domésticos, os animais selvagens e todos os animais que rastejam sobre o solo.”  E Deus criou o Homem à sua imagem, à sua imagem o criou, homem e mulher.  E Deus abençoou-os dizendo: “Sede fecundos e multiplicai-vos, povoai a terra, e dominai os peixes do mar, os seres alados do céu, os animais domésticos, os animais selvagens e todos os animais que rastejam sobre o solo.” E Deus continuou, dizendo: “Vejam que vos entrego a vegetação fértil da terra, as árvores, os seus frutos e as sementes, e que isto vos sirva de alimento. E de alimento servirá também a verdura da vegetação a todos os animais selvagens, aos seres alados do céu, e a todos os seres que sobre a terra respiram.” E assim se fez. E Deus sentiu agrado na beleza da sua obra. E veio o crepúsculo e a aurora. E foi o sexto dia.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 04:22
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
5 comentários:
De Maria Helena a 11 de Fevereiro de 2009 às 16:02
E Deus, vendo toda a beleza da criação considerou--a muito boa. [ aqui é que acaba, se faz favor]

Porque sendo bela será um todo.
Porque todo o Homem nasce com a imagem de Deus e vai construindo a semelhança com Ele (ou não) e pode, assim, ir construindo a sua própria beleza, que não a que se vê, antes a que se pressente.
Gostei imenso.
E a Maria Helena considerou que só um homem bom poderia reescrever com tanta beleza a Criação no exílio babilónico.
Obrigada.
Um abraço.


De Paulo a 12 de Fevereiro de 2009 às 16:37
O Paulo concorda com a última frase da Maria Helena. Sobre o resto, faz-lhe espécie que Ele, vendo toda a beleza da sua Criação e considerando-a muito boa, tenha deitado tudo a perder por causa de uma maçã.

http://literaturas.blogs.sapo.pt/images/mood/EMOTICON_BOUQUETE.pnghttp:
De Paulo a 12 de Fevereiro de 2009 às 16:38
Ooops. Pensava que ia ali um ramo de flores para a Maria Helena...
De Manuel Anastácio a 12 de Fevereiro de 2009 às 18:20
Creio que era isto que querias oferecer:

De Paulo a 12 de Fevereiro de 2009 às 18:26
Era, pois.

Obrigado.

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds