Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2004
Myrtho, de "As Quimeras" de Gérard de Nerval

 Klimt-Danae.jpg

MYRTHO

Gérard de Nerval ("As Quimeras")

Do altivo Pausílipo me enfeitiças,

Deusa, a mente, com mil fogos, brilhante:

Myrtho, que a luz d’ este inunda o semblante

Em trança d’ ouro, uvas negras, mestiças.

 

C’ o chispar de alegres olhos me atiças

A beber tua taça embriagante,

P’la Musa perfilhado Grego, ante

Lacchus curvado, entregue às suas liças.

 

 

Sei porque este vulcão se reabriu...

Mal o tocaste ontem com o pé, lesto,

de cinzas, o horizonte se cobriu.

 

Aos teus ídolos foi um normando infesto

E logo de Virgílio o láureo gesto                            

Pálida hortênsia a verde murta uniu!


(Versão de Manuel Anastácio)

 

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 02:02
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar