Domingo, 8 de Fevereiro de 2009
Da Bíblia

Bíblia de Gustava Vasa da Suécia. Clicar na imagem para os créditos devidos.

 

Em próximos artigos passarei a postar versões minhas da Bíblia, capítulo por capítulo. Não tenho quaisquer conhecimentos de hebraico, aramaico, grego ou latim, mas se há coisa que me ensina a experiência de ler muitas versões dos mesmos textos sagrados é que, graças ao Deus judaico-cristão, Deus o abençoe por não ser tão nacionalista e agarrado à sua língua e medíocre literatura religiosa, como o é الله, os textos sagrados são sempre traduzíveis e, tirando uma falha ou outra na pontuação, o fundamental persiste. Excepto quando Jesus diz ao malfeitor arrependido: "Deveras te digo: hoje estarás comigo no Paraíso!" que, segundo outros, é "Deveras te digo hoje: estarás comigo no Paraíso!" - questão que, sendo apenas da posição de dois pontos, tem consequências teológicas arrasadoras. Afinal, Jesus desceu durante três dias ao Inferno ou não? Parece que sim, de acordo com TODAS as religiões cristãs. Mas, segundo a primeira versão, Jesus foi directo, hoje mesmo, para o Paraíso... Na segunda versão, mais conforme à teologia da descida aos Infernos, porém, o "hoje" parece deslocado: por que razão é que Jesus teria a necessidade de, pendurado numa cruz, compor frases estilisticamente e redundantemente rebuscadas? Se digo, é porque digo hoje. Mesmo que diga amanhã, será sempre hoje. Qual é a figura de estilo? Não é bem um pleonasmo. Nem uma redundância. Agradeço qualquer resposta na caixa de comentários.

 

Para texto sagrado, a Bíblia é frequentemente devedora da má literatura - outras vezes, porém, é antologicamente bela. Mas não vou discutir quanto às flutuações estilísticas do Espírito Santo que inspirou as mãos de Moisés a João Evangelista.

 

Hoje, apeteceu-me reescrever a Bíblia. Talvez seja como (no mau sentido) Jorge Luís Borges: autor de projectos, criador de textos apenas sugeridos e jamais cumpridos.

 

E hoje, comecei a fazê-lo, sem versículos a atrapalhar.

 

Mesmo estando a dever artigos a muita gente... caloteiro que sou.

 

Próximos artigos (promessas):

- Comentário a "Reportagem Urbana" de Aramis Ribeiro Costa.

- O presente para a Maria Helena.

- Comentário ao prefácio do Henrique Fialho no "Dias do Amor".

- Comentário à antologia do conto baiano, século XX, da Gerana Damulakis.

- Apostas para os óscares deste ano.

- e, finalmente, um texto que vai arrasar, por completo, a carreira política de José Sócrates (ah ah ahhaha... - riso maléfico).

- infelizmente, não estou em condições de cumprir a promessa anterior.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:36
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Gerana a 8 de Fevereiro de 2009 às 22:26
Quanto ao que me toca, não precisa se apressar, eu espero você se aposentar (tradução para "reformar", traduzi certo?).
Bíblia: o Livro. Sabia? Claro que sim.
De Maria Helena a 8 de Fevereiro de 2009 às 22:51
No único evangelho que que refere o malfeitor arrependido, Lucas, na Bíblia traduzida pelos Franciscanos Capuchinhos está assim « Em verdade te digo: hoje estarás comigo no Paraíso». Na Bíblia com tradução da Sociedade Bíblica Católica Internacional e Paulus, refere o "bom ladrão" assim « Em verdade, eu te digo, hoje estarás comigo no Paraíso».
Quanto a figuras de estilo nada acrescento, tão pouco esclareço.
Quanto ao tempo, para Deus não existirá, como também mostra a frase... O perdão de Deus e entrada no Paraíso é dádiva e não conquista, é conversão de coração no reconhecimento do sofrimentos dos inocentes, é a capacidade para esquecer o sofrimento pessoal e tentar confortar o que está ao lado a sofrer e que todos, sem excepção,e por muito que nos custe engolir na nossa pequenez do coração, têm com a mesmíssima intensidade e verdade, a redenção.
O lugar no banquete celestial está reservado a muitos para quem olhamos com desconfiança porque Deus é que nos sonda o coração e o conhece.
Se Jesus foi directo ou não para o Paraíso, Manuel, confesso que não perco um segundo a tentar adivinhar. Já haveria Low Coast?! :-))))
De Maria Helena a 8 de Fevereiro de 2009 às 22:55
Ah! E faço minhas a letras da Gerana!
Se for na altura da reforma que me oferece mais um presente, será como se tivesse sido ontem! Na Amizade também não há tempo, pois não?!
Um abraço.
De Gerana a 9 de Fevereiro de 2009 às 02:23
É isso aí, Maria Helena: na amizade, não há tempo a ser cumprido e, no meu caso, tão longe, posso dizer que também não há espaço a ser vencido. Sentimentos, afinidades e admirações transcendem, ocorrem dentro de uma esfera sem regras.

Dizer de sua justiça

.pesquisar